Caminho das Índias, parte VII

No terceiro dia acordei zerada, depois de dormir uma noite inteira sem vomitar, e fomos pro nosso houseboat.

Em Kerala, tem uma região que eles chamam de ‘backwaters’, ou a Veneza da Índia. São uns canais lindos, perto de plantações de arroz, e você pode alugar um barco que é como um hotel, e passar uma (ou mais) noites nele. Meio que por acaso, acho que acertei com a companhia mais luxo e sedução dentre todas que fazem esse passeio. Gente, olha o tamanho desse barco!

No ancoradouro, visto de fora:
2014-05-04 13.15.31

A proa mais luxo e sedução da história das embarcações:
IMG_5035

IMG_5090

Sala de jantar, onde já fomos recebidos com suco, água e frutas fresquinhas.
IMG_5037

O (nosso) quarto com uma cama enorme, ar-condicionado e mosquiteiro
IMG_5038

O corredor até o final do barco, onde ficam a cozinha e as dependências dos moços
IMG_5039

Resumindo a brincadeira: a gente pagou 11.000 rúpias (mais ou menos 120 euros) pra passar uma noite no barco. Entramos ao meio dia, fomos recebidos com suco, água e frutas. Dali a algumas horas, almoço. Mais sucos e frutas, e depois jantar. No dia seguinte, café da manhã antes de desembarcar. Tudo isso, e mais três moços, incluídos no preço. Surreal!

A comida no barco é super típica – tem até peixe pescado no rio! E muito, muito farta.

IMG_5053

IMG_5050

IMG_5051

IMG_5052

E o barco vai navegando pelo rio… lindo demais!

2014-05-04 18.21.22

2014-05-04 16.18.24

2014-05-04 16.19.38

2014-05-04 16.27.09

2014-05-04 18.20.49IMG_5066

IMG_5067

IMG_5070

IMG_5054

IMG_5055

Esse passeio é bem turístico e muita gente faz a mesma coisa. Vimos muitos outros barcos, alguns de turistmo, outros de transporte, mas nenhum tão legal quanto o nosso :D

IMG_5117

IMG_5079

IMG_5076

IMG_5077

Enquanto estava só eu na Índia, as pessoas nem ligaram muito pra mim. Especialmente em Mumbai, que tem gente do país todo, as pessoas não só não me prestavam atenção quanto tentavam falar comigo em hindi. Várias vezes. Fiquei me sentindo uma local :D

Mas quando a Heather chegou, tudo mudou. As pessoas OLHAVAM pra ela, do tipo paravam na rua pra olhar pra ela. Pessoas pedindo pra tirar foto, pedindo o telefone. E, por eu estar com ela, as pessoas começaram a me olhar diferente também.

Nesse rio, foi muito divertido. A parte ruim é que gente passava por barcos e a galera tirava foto da gente (era tanto luxo e sedução que deviam achar que somos atrizes famosas). Mas a parte legal é que, pra quem quer que a gente acenasse, as pessoas respondiam animadamente. As crianças, então! Ficavam olhando pra gente, fixamente, esperando alguma coisa acontecer… era só eu ameaçar levantar meu braço pra dar um tchauzinho, que as crianças já estavam abanando furiosamente!! Pena que só tem uma foto da alegria deles, e mesmo assim de um pessoal mais velho. Fiquei me sentindo especial : )

IMG_5120

Vimos muitas coisas interessantes durante o passeio de barco – as plantações de arroz, que são inundadas periodicamente… as pessoas vivendo sem luz nem água, como se estivessem muito distantes da civilização… e isso aí. Dá pra adivinhar o que é antes de ver a foto seguinte?

IMG_5108

IMG_5109

IMG_5110

É uma fazenda de PATOS! Ficamos super intrigadas, até eles passarem pertinho. E no final passaram dois barquinhos coordenando os patos, e os moços do nosso barco nos explicaram.

Também vimos como o rio é tudo pras pessoas que moram nessa região. Vimos gente lavando a louça, tomando banho, lavando roupa, fazendo o rio de banheiro, pegando água pra beber… tudo no mesmo rio, bem indiano.

IMG_5113

IMG_5114

IMG_5115

Foi uma das experiências mais legais da viagem, e eu recomendaria pra todo mundo que for à Índia. Por pagar super barato pra ter uma experiência super luxosa, por visitar as backwaters que são lindas, pra provar a comida de Kerala, pra ter esse sentimento de como é a vida no meio do nada… ah, a companhia é a Spice Coast cruises.

2014-05-05 07.19.00

Caminho das Índias, parte VI

Saindo de Goa, voei pra Trivandrum, pra encontrar a Heather. Yey!

Trivandrum mesmo não tem muita coisa. Passeamos um pouco, vimos uns templos bonitos, mas nada demais. A felicidade era por finalmente encontrar a Heather, depois de dois anos e algumas tentativas frustradas!

IMG_5019

IMG_5020

Daí, pegamos um taxi e fomos pra Varkala. O tempo estava ruim, mas o lugar é lindo!

IMG_5024

IMG_5029

IMG_5026

Parece que as monções chegaram mais cedo esse ano… porque as tempestades tropicais que pegamos em Varkala foram deliciosas! Nadar no mar embaixo de tempestade, há quanto tempo eu não fazia isso? E a Heather nunca tinha feito. Às vezes eu tenho uma pena das pessoas que não sabem o que é tempestade tropical – não sabem o que é preferir largar o guarda-chuva e correr porque a água vem de tantos lados que não adianta nada ter um guarda-chuva.

O povoado perto de onde estávamos também estava com as lojas e restaurantes fechados e com pouquíssima gente, mas ainda assim deu pra passear um pouco…

Até eu começar a passar mal e Varkala acabar pra mim.

No final das contas, descobri que não foram os cocos, as comidas de rua, as frutas, os sorvetes, os pratos super apimentados… foi uma porcaria de sopa de galinha com tomate, sem tempero nenhum, com uma galinha passada, que me tombou. The giant had fallen. Que besta, eu, de não lembrar que justamente os temperos é que conservam a comida =/

É por isso que eu quase não tenho fotos de Varkala, porque voltei pro quarto e passei quase dois dias de cama.

Gente, o que foi isso? Eu me orgulho de ter estômago de avestruz, de comer de tudo, de não me abalar com podrões pós-balada, comida de rua, comida que caiu no chão desde que a gente cate rápido. E sigo aquela máxima da Lud que prazo de validade é só uma sugestão. Eu nunca tinha passado mal de verdade.

Foram dois dias de eu achar que ia morrer. Sem brincadeira. Tudo doía como se eu tivesse sido atropelada por um caminhão, de tanta força que meu corpo fazia pra botar pra fora o que já não estava lá dentro. Eu segui todas as dicas do Dr. Felipe (de uma outra viagem, com outra pessoa adoentada) e mesmo assim nem água parava no estômago. Achei uns cream crackers no fundo da bolsa e mesmo assim, nada.

O pessoal do hotel foi ótimo, e perguntavam sempre se eu tinha melhorado, e me deram um chá de limão com gemgibre delicioso, que segundo eles ajuda. E a Heather também foi ótima, me trazendo água e bananas e chá mas sem dar muita atenção pro meu sofrimento.

Acabou que foi jóia que Varkala não tinha lá muita coisa… e foi bom também que eu estava lendo Little Women e muito longe da Índia. Mas olha, agora entendo e respeito mais as pessoas que passam mal em viagem =/

(atenção para o pacote de cream cracker em cima da mesa)

2014-05-03 14.04.24

***

Uma coisa que vimos bastante… o uso do Papai Noel em contextos totalmente nada a ver. Os indianos não celebram o Natal e nem sabem quem é o bom velhinho. Bem engraçado encontrá-lo em nomes de lojas, propagandas de venda de carro, lanchonetes… e num hotel de praia.

IMG_5030

A maior cidadezinha do mundo

Pausa pra comentar de mais um causo fantástico dessa pequena grande cidade, Belorizontem.

Pra todo lugar que eu vou, eu encontro conhecidos. Não sei se é porque eu conheço muita gente, porque o mundo é um lugar pequeno, ou porque Belo Horizonte é o maior ovo do mundo.

Na época que eu morava nos Eua, pegava uma conexão em Miami pra voltar pra casa. Eu ficava lá umas 4 horas, por causa do horário dos vôos. Não aconteceu nenhuma vez de eu não encontrar conhecidos.

Outro dia fui numa balada em Berlim e, final de noite, todo mundo bêbado, puxei conversa com uma menina. Falei que era do Brasil, ela perguntou ‘da onde’, eu falei ‘Belo Horizonte’, e ela disse tinha acabado de conhecer (e pegar) um cara de lá. Eu duvidei, ela mostrou o whatsapp, e era um calouro meu. Até mandei mensagem em português pro cara.

Outro dia, festinha do CS, o John tinha um couchsurfer brasileiro em casa. Encontrei o Pedro e dissemos pras pessoas em volta que não demoraria mais de 5 minutos pra encontrarmos uma pessoa que ambos conhecessem. Devíamos ter marcado o tempo, porque rapidíssimo descobrimos que o Pedro tinha estudado física com a Flavinha, na UFMG. Foto pra prima :D

Ontem a Mel, alemã que que eu conheci outro dia, postou no facebook que estava vendo jogo comigo. Um moço, Wallyson, comentou ‘que coisa, ela é da mesma cidade que eu!’. Fui ver, e batata: é o marido da Nanda, irmã da Aninha, das épocas do GJ.

Mundo pequeno!!!

Caminho das Indias, parte V e meia

Opa! Esqueci uma coisa super legal de Goa!

Na noite que passei sozinha e não tive coragem de ir na balada (mesmo pq era longe e precisaria de taxi caro) fiquei no hotel assistindo criquete. Gente, que jogo chato da pourra! Eu li as regras na Wiki e nem assim ajudou. Achei aborrecido do nível de baseball.

Pelo menos na tv. Porque no dia seguinte, estava na praia e aí vi uns meninos jogando, e até sentei pra assistir. Ao vivo, e amador, é muito legal! É mesmo que nem bete, que a gente jogava no sítio quando criança.

2014-05-01 16.30.23

2014-05-01 16.29.57

Na tv continuei achando chato, mas se alguém quiser jogar na praia ou no parque, me chama!

A copa do mundo é nossa

Com brasileiro, não há quem possa!

Eu achei que nem ia ligar de não estar no Brasil durante a copa. Que boba! Estou mesmo é morrendo de inveja e de saudade de casa. Mas enquanto eu vejo Beagá só pela tevê, estou aproveitando o que dá dessa copa.

Minhas coisas preferidas de ver a Copa do Brasil aqui de longe:

1. O Brasil está na moda. De bandeirinhas do Brasil distribuídas no bar, a Brahma vendida mais caro que cerveja alemã no supermercado, a até uma barraquinha de comida brasileira na estação central, a vida está mais fácil pros brasileiros com saudade de casa. Isso aí é uma coxinha, gente!

2014-06-12 20.03.38

2. As notícias das manifestações estão chegando aqui sim, e volta e meia tem amigo gringo postando no facebook reportagens tipo ‘o que você não sabe sobre a copa do brasil’ ou ‘o que significa o #naovaitercopa’. Várias pessoas já me perguntaram sobre o que está acontecendo, e se interessam, querem saber como está a situação. Copa também é visibilidade!

2014-06-12 21.13.44

3. A oportunidade de ver jogos de várias seleções com pessoas desses vários países, e de gente que já morou nesses países, e de gente que está torcendo porque tem simpatia por esse país.

Pela nossa mesa já passaram alemães, finlandeses, mexicanos, uruguaios, italianos, croatas, holandeses, indianos, paquistaneses, americanos, romenos, australianos, canadenses, e até brasileiros!…

Fico me lembrando de um campeonato brasileiro que eu acompanhei em Salvador, num projeto que tinha gente do Brasil inteiro, e era fantástico ter sempre alguém pra zoar – ou pra ser zoado. Aqui seria a mesma coisa se esse pessoal de fato gostasse se futebol em vez de ir no bar pela bagunça, mas tudo bem, que também pode!

2014-06-17 20.57.58

2014-06-28 18.50.27

2014-06-12 21.31.34

2014-06-18 21.33.24

4. Ver jogo como os alemães vêem. De ver jogo no escritório, com 70 pessoas reunidas e DUAS levantando pra comemorar o gol… a ir no estádio ver o jogo no maior telão do país e a galera cantando e gritando junto (bom, germanicamente, mas já foi algo).

2014-06-21 21.01.03

2014-06-21 21.06.23

5. Ver uma quantidade infinita de jogos. Como o horário dos jogos no Brasil é definido em função de quem está na Europa, quem se dá bem soy yo. Vi pelo menos um pedaço de 33 dos 48 jogos da fase de grupos, e acho que na 2a fase meu aproveitamento vai ser 100% fácil.

Vendo jogo na estação de trem:
2014-06-15 19.20.00

6. Andar de verde-e-amarelo e me destacar na multidão :) No Brasil todo mundo está de amarelo, mas aqui a minha camisa canarinho faz muito sucesso. As pessoas gritam ‘Brasilien!’ e mexem na rua. Ontem um cara abriu o maior sorriso pra mim no bonde. Melhor ainda é poder barbarizar na maquiagem porque ninguém me conhece mesmo :D

Brasil vs Camarões:
2014-06-23 20.31.29

Brasil vs Chile:
2014-06-28 15.44.27_2

Sim, está ficando mais grave :D

7. Apesar de toda a torcida contra – porque pode ter certeza, uma hora dessas só torce pro Brasil quem já está eliminado! – ver o Brasil ganhar, sofrido, nos acréscimos, com gol feio… mas ganhar ;D Bora, Brasil!

2014-06-28 18.54.06

Caminho das Indias, parte V

Opa! Antes tarde que mais tarde, segue a aventura indiana.

Nos dias que eu ia ficar sozinha, escolhi ir pra Goa, que é uma das partes mais ocidentalizadas, cheias de turista europeu e seguras da Índia. E eu também curto uma praia, então bora lá.

A praia, praia mesmo, eu achei bem marromenos.

 

2014-04-30 17.00.19

2014-04-30 17.06.19

2014-04-30 17.04.41

Essa parte era bem perto do hotel, e não tinha ninguém. De acordo com os taxistas que eu peguei, era baixissima temporada, todo mundo tinha acabado de ir embora. Nessa época, o que tem é só turismo interno mesmo. E aí, quando você acha a galera, é galera mesmo!

2014-04-30 17.15.26

Pode ser que eu tenha ido na praia errada, ou que os milhões de turistas europeus gostem mesmo é do clima e do calor. Mas, de modo geral, achei o lugar bem pouco turístico – aliás, todos os lugares por que passei. Gente, cadê as barraquinhas de souvenir? Até Goa eu não comprei nem UM ímã pra coleção, simplesmente por não encontrar em lugar nenhum! Aí quando vi essa barraquinha, entendi o drama. E a barraca fechada, claro:

IMG_4989

Muitos lugares com placas de ‘fechamos por esse ano, volte ano que vem’. Talvez a culpa não seja de Goa, seja mesmo da época que eu escolhi visitar.

IMG_4987

Eu não pude entrar na água porque 1. estava sozinha, e 2. estava de biquini. Eu até já tinha comprado um sari, mas sem chance de entrar na água com meu lindo sari novo :D Eu sabia que os indianos entram na água de roupa e tudo, mas ainda assim foi meio chocante assistir. Olha aí essa moça num lindo sari rosa e completamente ensopada.

IMG_5004

Uma das coisas que eu acho mais importantes e bacanas de viajar ou morar em outros lugares é entender que não existe só uma forma de fazer as coisas; e como não existe só uma, também não existe a certa. Comer com garfo e faca, ou com as mãos? Nadar de biquíni, ou de traje completo? Pagar bebida pras meninas, ou cada um paga o seu? Pode ficar na balada, ou não pode? Talvez a Índia tenha sido o lugar que eu visitei que é mais obviamente diferente do Brasil, as diferenças são gritantes. Mas acho que é justamente isso que me atrai :D

Se a praia não me encantou, vamos ali visitar a cidade porguesa?

Muito lindinho o bairro português! Eu me senti numa Ouro Preto meets Salvador. Quantas flores, quantas casas coloridas! E quantas coisas com nome em português :D

IMG_4964

IMG_4977

IMG_4970

IMG_4971

IMG_4973

IMG_4976

IMG_4979

Também muitas igrejas e catedrais. Essa dos sinos, gente, que vontade que deu de soar os sinos e sair correndo! :D

IMG_4963

Olha só que cara de Ouro Preto… fiquei morrendo de saudade da primaiada :D

IMG_4922

IMG_4927

IMG_4940

IMG_4960

IMG_4975

A melhor parte de ir nessas igrejas foi entrar num lugar que eu entendia. Depois de quase uma semana de cultos totalmente desconhecidos e impenetráveis (porque eu pergunto, mas nem sempre a Lakki responde), foi um alívio mental estar num lugar onde eu sabia o que acontece, entendia as partes, e até conhecia vários dos santos e santas nos quadros e esculturas. Até achei a pia de água benta pra me benzer :D

Okeeey, se as praias não são grande coisa e a parte portuguesa é que nem Ouro Preto, o que bombou em Goa? A comida, aaaah, a comida.

Primeiro de tudo, barraca de coco por todo lado. E os caras sabem quais cocos tem carne dentro e quais só tem água! Como é que essa tecnologia não chegou no Brasil ainda!?

IMG_4910

2014-05-01 15.04.11

A comida de Goa é uma mistura de português com indiano, uma delícia. Esse peixe goano foi uma das melhores coisas que eu comi na viagem inteira, sem contar a vista linda pra praia e um cardápio em português. Anotem aí, o restaurante chama Souza Lobo.

IMG_4913

Resumindo a visita: acho que nem vale a pena gastar tempo de Índia em Goa, apesar da comida fantástica. Mas foi bom conhecer :D

Caminho das Índias, parte IV

Dessa eu só entendo o ‘sorry, sorry’ :D

Saindo de Lonavala, fomos pra Pune, onde a Lakki mora. Fomos no Shaniwarwada, um palácio-forte construído em 1746. É lindo, e tem um jardim lindo, onde as pessoas vão pra ficar namorando. Lembrete, de novo: apesar de todo mundo estar de calça comprida e camisa de manga, estava tipo 38 graus.

IMG_4853

IMG_4854

IMG_4859

Em torno do jardim todo tem uma fortificação, que teríamos percorrido todo se não estivesse tão quente!

IMG_4866

IMG_4862

De noite, tivemos um encontro de meninas com a Divya, que também morou em Morgantown conosco e eu não sabia que estava morando em Pune :D Encontrando na Índia depois de quatro anos sem se ver… muito bom!

IMG_4881

Pausa pra falar de Pune: onde elas moram não é Pune mesmo, mas um condomínio fechado com outro nome. É lá que fica a sede da Acn. É muito bacana morar lá, e é muito diferente de Pune mesmo – é limpo, seguro, tem muito menos trânsito… e tem de tudo dentro; de empresas pra você trabalhar até shopping e mercado e cinema. Aliás, o maior Multiplex da Índia fica nesse shopping ai :D (e se é o maior da Índia, é o maior do mundo? hehe). Dentro desse condomínio me pareceu bem legal morar, fora o calor absurdo que não dá pra evitar :D

Peguei meu primeiro tuk-tuk e fomos no cinema. Aeeeh!

IMG_4886

Cinema na Índia: tem que ir! As meninas me ‘obrigaram’, mesmo eu não entendendo nada, tinha que ver as músicas e as danças. Vimos 2 States, que é um romance no qual mocinho e mocinha se apaixonam, mas as famílias são contra porque são de estados diferentes. Elas foram traduzindo uns pedaços e no final das contas o roteiro não é assim taaaão complexo, mas ainda quero ver com legendas no futuro próximo.

Ah!, o filme tem quase 3 horas e pára no meio, por 15 minutos, pra gente comprar pipoca. Hmmmm!

IMG_4894

Também aproveitamos pra tentar botar o papo em dia… hoje em dia a Divs já está casada e é mãe! =O

A sociedade indiana é muito machista, mas tanto, e as meninas nem percebem. Eu entendo, porque eu passei muito tempo sendo assim até cair a ficha =/ Por exemplo, eu perguntei pra Lakki por que, na rua, algumas mulheres andavam de sari, super tradicional, e outras de jeans, bem modernas. Eu achei que a resposta ia ser sobre algumas famílias serem mais tradicionais, ou que o pessoal com mais dinheiro é mais moderno/ mais tradicional… daí ela respondeu, ah, é que é uma sociedade livre, cada um pode usar o que quiser. Eu ri, perguntei de novo, ela respondeu – ah, é que alguns maridos fazem questão que a mulher use roupa tradicional, outros deixam elas usarem jeans. Sociedade livre, a-hã.

Apesar de que tudo que a gente fez foi ir ao cinema, comer pipoca, sanduíche, sorvete (sempre!) e bater papo, foi uma das noites mais legais da viagem. Impressionante como você pode passar ANOS sem ver pessoas e o sentimento, o tanto que você gosta delas, não muda nadinha ;D

IMG_4899

Caminho das Índias, parte III

Aviso: apesar da sociedade super conservadora e da galera tomando banho de mar de roupa (oh yeah), os clipes são super sexy e coisa e tal. Eu nem curto muito a música mas esse clipe passava direto e merece ser incluído :)

Terceiro dia de viagem, acordamos e fomos pra Lonavala.

Vou fazer um post só sobre o trânsito da Índia, então aguardem : )

Lonavala é um lugar um cado sem graça, mas em compensação ficamos num resort lindo!

IMG_4788

IMG_4789

IMG_4793

IMG_4798

Foi lá que aprendi a jogar Carrom, um jogo antiquíssimo que (em teoria) deu origem à sinuca. A diferença é que você dá um peteleco nas peças, pra elas se moverem. Não é difícil, mas eu perdi =/

IMG_4807

IMG_4812

E foi também em Lonavala que eu tive uma experiência intercultural que nunca esquecerei. Dona Lakshmipriya resolve que quer tomar chá. Dona Lakki está de calça jeans e uma blusa de malha, de manga comprida. A temperatura no mundo exterior é de 40 graus. Dona Lakki resolve tomar um chai QUENTE, com toda essa roupa, na VARANDA, que não tem ar condicionado. E ainda fala pro pessoal do room service trazer o chá bem quente que é assim que ela gosta. Go figure.

Outra coisa muito legal em Lonavala é que tem umas cavernas. Fomos em um lugar que dá pra ver algumas – são tipo celas cortadas na rocha, são budistas e as mais antigas foram feitas entre 200 anos antes e 200 anos depois de Cristo. É muito, muito bacana – pena que estava fechado e não dava pra visitar!

IMG_4832

IMG_4836

Massss, em compensação, essa coisa azul aí do lado é um templo. Fomos visitar por dentro (não pode tirar foto) e estava tendo uma celebração. A Lakki não soube me explicar direito – fiquei impressionada com a devoção e com o calor dentro do templo; as pessoas estavam derretendo lá dentro. Pela viagem inteira, uma sensação estranha de estar na igreja de alguém que você não entende, que não sabe nem o que pode ou não fazer lá dentro, e como faz pra não atrapalhar…

No caminho pra ir e voltar do tempo, mil lujinhas com pulseiras infinitas, oferendas pros deuses, traquitanas dos deuses… pena que não tirei foto!

E pra fechar Lonavala, um pequeno milagre: essa cara de contente aí sou eu comendo uma coisa vegetariana. Pode isso, Arnaldo!?

IMG_4841

Pra constar: isso se chama Uthapam, é tipo uma panquequinha crocante e bem fininha, e por cima pode ter cebola, tomate e queijo. Comi em vários outros lugares e aprovei todas as vezes. Hummmm!

***

Okey, okey, uma última foto pra fechar Lonavala… lá tem uma barragem na qual é proibido nadar… apesar de o caminho pra barragem ser pontilhado de barraquinhas vendendo protetor solar, biquini, bóia… logo atrás da placa. :)

IMG_4848

Caminho das Índias, parte II

Aviso: meu feminismo é super a favor de clipes nos quais os gatinhos sensualizam :D

Mumbai teve minha primeira experiência de multidão. Resolvemos ir na praia no domingo à tardinha. Gente do céu – sabe lotado? Sabe MUITO lotado? Lotado do tipo ‘reveillon em Copacapana’ lotado? Então, tipo isso, mas num domingo qualquer à tarde.

Eu não tive coragem de chegar no mar pra ver se era legal, poluído ou não – o mundaréu de gente me tirou a boa vontade. Olha isso, minha gente.

IMG_4748

IMG_4749

Importante notar que as pessoas estão DE ROUPA na praia. Em Goa deu pra ver (e tem fotos pra mostrar) que as pessoas nadam de roupa mesmo. Voltaremos a esse tópico.

Pelas fotos, parece que é uma agradável tarde de primavera européia, tipo 15 graus no sol, né? Naaaaaão, gente! Estava de noitinha, então tinha ‘refrescado’ – tipo 38 graus. E úmido. E essa galera de roupa! Isso me deixou muito impressionada na Índia – mesmo durante o dia, mesmo o pessoal que trabalha no sol… todo mundo vestidíssimo. As mulheres E os homens – todos de calça e camisa, muitas vezes manga comprida. No comprendo, mas acho justo.

(e depois fiquei pensando que essa ‘compostura’ das pessoas dá uma impressão muito menor de pobreza que as nossas cidades de interiorrrr nas quais as crianças andam quase peladas, e os adultos usam muita pouca roupa)

Highlights da praia: tomar água de coco : ) Curiosidade – na Índia, ao contrário do Brasil, você pode pedir pro moço um coco como você quiser – ou muita água, ou muita polpa – e eles dão umas balançadas nos cocos e acertam sempre. Eu sempre pensei que não era possível que você trabalhasse com coco todo santo dia e não tivesse como saber pela experiência o que um coco tem dentro… bom, na Índia, eles sabem.

IMG_4757

Na beira da praia tem um monte de barraquinhas de comidas, bebidas, sorvetes… que tristeza a minha de não poder comer e beber nada (pro coco eu fiz uma exceção, lógico)! Mas examinando bem, a vontade até passa um pouco. Pois então, vejamos – dá pra ver essa banquinha de raspadinha e sorvete atrás de mim, na primeira foto? Na segunda foto dá pra ver os sucos em garrafas pet sem rótulo :D É coisa de interiorrrr ou não é? : )

IMG_4759

IMG_4760

Pra fechar Mumbai, mais dois tópicos…

No hotel, estava começando uma feira de casamento. As pessoas visitam a feira, olham os serviços, e contratam. Porque acordamos cedo, chegamos no comecinho da feira e fomos suuuuper bem tratadas :D Tinha um milhão de flores (tudo que está nas fotos é flor ‘de verdade’) e tudo é tão lindo!

IMG_4640

Quando você se casa, tem esse banquinho onde os noivos ficam, e as empresas de casamento fazem esses banquinhos com todo tipo de decoração atrás… cada um mais lindo que o outro. Disse a moça que era muito auspicioso tirar fotos no banquinho pra arranjar casamento! :D

IMG_4643

Tinha umas moças fazendo mehendi (que é como eles chamam henna na Índia, ninguém chama de henna =/) e elas toparam fazer uma ‘amostra’ na gente. Cara, não dá pra explicar como é ter henna feita por uma profissional – a rapidez da moça, a precisão do desenho, a harmonia, a graça do desenho. Eu achava que as noivas ficam dois dias e meio pra serem pintadas inteiras de henna – que nada, elas são super rápidas, e trabalham em equipe. Parece que dá pra ‘fazer’ uma noiva em 4 horas : )

IMG_4646

A mehendi da Lakki sendo feita:

IMG_4651

A minha, com a henna secando e depois dela cair:

IMG_4688

IMG_4786

Tem coisa mais bonita?

(só pra constar – no final da viagem fiz de novo com uns moços na feira, em Jaipur… me mostraram uma pasta com os vários estilos, eu escolhi, e odiei – o moço ignorou tanto o que eu falei quanto o motivo que eu escolhi, e fez um serviço porco, que eu tirei logo depois. ou seja, não é fácil fazer isso não, é que eu realmente peguei uma artista)

Também passamos por um moço que fazia pulseiras e acompanhamos todo o processo, totalmente manual. Legal demais e sai de lá com uma pulseira :)

IMG_4657

IMG_4672

Pra fechar Mumbai, um pouco de comida boa da Índia…

Fomos numa pizzaria no Marine Drive (que é bacaninha mas nada demais). Gente, o que foi isso?

IMG_4630

Primeiro, o milkshake / lassi de manga. Cabe dizer que a fruta nacional da Índia é a manga, que estávamos em época de manga, e eles tem uma tal de manga Alphonso que é o rei das mangas. Cara, nunca me esquecerei da manga Alphonso. Esse negócio aí é um lassi com uma bola de sorvete de creme flutuando em cima. Minha cara de alegria define.

IMG_4632

IMG_4631

E pra comer, uma pizza Chicken Tikka Masala. Lembrando que eu nem sou fã de pizza! Foi uma das melhores pizzas que eu já comi e eu fiquei o resto da viagem todo querendo repetir o pedido. Sim, comida indiana também é quentinha, crocante e gostosa!

IMG_4634

Caminho das Índias, parte I

Então!, fui na Índia e voltei e estamos aí pra contar a história – em várias partes, é claro. Aperta o play e vambora!

Eu sempre quis ir à Índia, mas fiquei mesmo apaixonada pelo país quando dividi a casa com a Lakki, nos EUA. Mais que aprender sobre os EUA, eu aprendi sobre a Índia, porque a Lakki é a mais prestativa e paciente quando a gente tem um milhão de perguntas, e ela e a Divya me adotaram e me levavam pra cima e pra baixo. Fiquei devendo uma visita, e quando as constelações entraram em acordo, fui.

Antes disso, perguntei pros meus amigos não-indianos que já tinham ido à India o que eles tinham achado. E fiquei até desanimada de ir. Sem exceção, eles falaram da pobreza, sujeira, barulho, bagunça, pedintes, feiúra… eu quase não quis ir mais! Mas criei coragem, comprei uns antissépticos porretas, e fui-me embora.

Minha conclusão final eu vou repetir no final, mas o resumo é o seguinte: a Índia não é pra corações fracos. Tem sim muita feiúra. Mas pra quem conhece o Brasil, não é grande surpresa não. As vilas e subúrbios não são mais pobres do que vilarejo no norte de Minas. As estradas não são piores do que sul de Minas. O trânsito, esse sim, é especial: é tipo 14 vezes mais sem noção do que o de Salvador. Gente pedindo esmola tem em qualquer cidade grande brasileira. E as coisas bonitas… são de ficar besta. Vamos ver se vocês vão concordar :)

Cheguei em Mumbai (antiga Bombaim) e a Lakki me buscou no aeroporto. Primeira surpresa: as pessoas em geral não podem entrar no aeroporto. Só entra quem tem passagem impressa (dica: imprima os comprovantes de todas as suas passagens, senão é um parto entrar nos aeroportos pros vôos locais e de volta). Quem não é viajante tem que pagar uma taxa e tem um processo. Então, mais provável que quem estiver te esperando esteja fora do aeroporto (e o aeroporto, absolutamente vazio).

A Lakki alugou um carro com motorista pra parte da viagem na qual ela me acompanhou. Tentei extrair dela o preço, mas tudo o que ela disse foi que na Índia dá pra fazer isso (alugar uma PESSOA por quatro dias), ao contrário dos EUA. Andamos pra cima e pra baixo com o motorista, com ar-condicionado : )

Logo no primeiro dia, ela já me levou pra tomar um café da manhã típico num fast food. Gente, é preciso muita coragem. Pois senão, vejamos:

IMG_4685

IMG_4675

IMG_4680

IMG_4684

 

Esse ‘fast food’ (não chamarei de espelunca) serve comida desde café da manhã até almoço e jantar. Não lembro o nome dos ‘pãezinhos’ (o branco acho que é idli); o molho vermelho é sambhar (gente, tem um bar em BH com esse nome?!) e o branco é chutney de coco. É comum servir o sambhar (que é muito apimentado, e literalmente quente) com um chutney de coco ou manga ou alguma outra fruta, pra ‘quebrar’ um pouco. É de comer com a mão, mas a Lakki é uma fofa e pediu talheres pra mim.

Particularmente eu não gosto de coisas ensopadas (por isso eu não sou muito fã de comida mineira), então não amei esse café da manhã não. Mas outros melhores virão e eu fiquei emocionada de sobreviver à experiência!

Passeamos por Mumbai por um dia e meio; não achei as atrações fenomenais não. O Portão da Índia, o Marine Drive, a praia… fenomenal foi passear pela cidade e ir me acostumando aos poucos com a quantidade de coisas tão diferentes que têm por lá. Mas pra não falar que não falei, seguem uns pontos turísticos.

O Gateway of India é um monumento que foi construído pra ser a primeira coisa a ser avistada ao se chegar na Índia, e foi criado pra comemorar a chegada de uns reis da Inglaterra em 1911. O que é legal é que as últimas tropas britânicas que saíram do país, quando da independência em 1948, também saíram por lá : )

IMG_4718

IMG_4720

IMG_4721

IMG_4722

Do lado, fica o hotel Taj. Pausa pra falar do Seu Tatá.

Seu Tatá foi um moço que criou o Grupo Tata. Hoje esse grupo é uma multinacional gigantesca que tem empresas nas áreas de tecnologia, engenharia, materiais, serviços, energia, produtos e químicos. Ou seja, tudo. São 114 empresas e você vê de TUDO Tata – de carro a consultoria a hotel a farinha a software a aço. É tipo assustador. TUDO tem ‘a Tata product’ escrito. A empresa é muito querida dos indianos, porque ‘diz que’ eles tratam muito bem os empregados e são super éticos. E o comando da empresa passa de geração em geração.

O hotel foi aberto em 1903. Conta a lenda que, antes disso, o seu Tatá foi impedido de entrar no hotel mais chique da cidade, por não ser branco. Aí ele disse, ah, é? E construiu o Taj Hotel (que depois virou a rede de hotéis mais luxuosa da Índia). Bobões!

O hotel é realmente lindo. Quando chegar na foto da recepção, favor lembrar que lá fora está um calor de literais 40 graus. É beleza infinita um hotel com ar condicionado no talo e uma cachoeira escorrendo pelo vidro. :) Já ficou nesse hotel uma galera famosa, dos Bitous ao Obama. Fomos no restaurante fino e tomamos um suco milionário pra brincar de ser chique ;D Ah!, e do restaurante dá pra ver o Gateway of India!

IMG_4724

IMG_4710

IMG_4707

IMG_4733

IMG_4735

** voltamos em breve com mais Mumbai! **