When I get older, losing my hair,

will you still be sending me valentines, birthday greetings, bottles of wine?

Quando eu era criança, tudo que eu queria era ficar mais velha. É que eu tenho duas irmãs mais velhas e sempre quis fazer coisas que a minha idade não deixava – de ler os livros das séries acima na biblioteca do colégio a ir num lugar chamado Fantasma da Ópera (era isso?) – que era a boate da época – antes de fazer dez anos. E claro que eu não podia.

Também convivi bastante com os primos mais velhos. Eu lembro direitinho da minha prima Paulinha ganhar um cachorrinho de presente de aniversário dos amigos da turma, quando tinha 14 anos. Tudo que eu queria era fazer 14 anos e ganhar um presente legal daqueles (ou menos – ter amigos na turma já seria um avanço).

Sempre comemorei meus aniversários muito contente – com a sensação de poder MAIS, não menos. Mais velha, mais experiências, mais dinheiro, mais liberdade, mais casos pra contar. E quando comecei a trabalhar, também comecei a querer *parecer* mais velha – pras pessoas pararem de duvidar da minha competência por causa da carinha de criança. Favor duvidar da minha competência por motivos reais como vocês fazem hoje, obrigada!

Dito tudo isso, são os trinta chegando. E por mais que minhas irmãs e primos e primas também tenham passado (e ultrapassado!) essa idade sem danos imediatos aparentes, estou sentindo a pressão. Das pessoas que não dizem a idade; que perguntam como é que eu estou feliz com a idade; que dizem que os melhores anos de uma mulher são entre os 20 e os 30; que agora é só morro abaixo.

Eu tive uma infância solitária, e uma pré-adolescência triste; só comecei a achar que a vida é assim uma coisa ótima aos 15. Fazendo as contas, quando eu passar dos 30, quer dizer que mais tempo da minha vida foi feliz do que foi triste! Se isso não é pra comemorar, não sei o que é.

E se agora é morro abaixo, eu fico muito contente, porque subir morro cansa. E descer é uma delícia!

ch

É ritmooo, é ritmo de festa

Então daqui a menos de um mês é meu aniversário. Muitas considerações!

A primeira é que eu deveria se referir a esse dia como ‘aquele dia anteriormente conhecido como meu aniversário’. Porque depois que meu bebê nasceu, acabou o meu aniversário. Até meu lugar como ‘a alegria da casa’ me foi tomado. Chegar em casa e estar todo mundo me esperando com bolo de cenoura? Nunca mais! É bom que eu me lembre de levar as chaves, senão corre o risco de terem ido todos pra Divi e me trancarem pra fora de casa! :)

A segunda é que, tendo meu bebê nascido exatamente no meu aniversário de 27, já estávamos combinados desde então que faríamos uma festa de trinta e três, em 2013. E festa de 33 teremos! Huhu!

***

Normalmente eu combino de me encontrar com meus amigos em algum bar. Só vejo vantagens: normalmente eu marco várias datas, e cada pessoa pode decidir que tipo de lugar gosta mais e principalmente que dia pode (porque em época de natal as pessoas têm muitos compromissos!). Além disso pode chegar a hora que quiser e ir embora a hora que quiser – tem gente que passa só pra dar um abraço antes do amigo oculto da empresa, ou chega no final da noite depois da festa de natal do prédio, sei lá. E melhor ainda é que, como não é festa, não tem que levar presente! Claro que tem pessoas que me conhecem muito e me dão presente sempre; mas pro resto da humanidade, acho tão mais fácil aparecer, tomar uma cerveja e pronto!

Pra mim, também descomplica: não precisa programar nada com antecedêcia, posso fazer várias festinhas em vez de uma só (normalmente de quinta a domingo), e posso chamar o mundo inteiro. E esse é o meu plano pro dia do meu aniversário mesmo – ir prum bar e tomar uma com quem quiser aparecer.

Mas tendo bebê na jogada, vai ter também festinha lá em casa. E tendo festinha lá em casa, precisei escolher a lista de convidados. E eu gosto de um montão de pessoas. Pensei, pensei… e no final foi triste mais foi fácil. O critério de escolha foi muito simples – quem é que continua na minha vida, mesmo comigo longe? Quem dá notícias, quer saber de mim, faz questão de me encontrar quando eu vou em BH? Não estou falando de agora, em Frankfurt – estou falando desde que eu saí de BH e comecei a morar cada hora em um lugar. A lista das pessoas que eu gosto é enorme – mas a lista das pessoas com quem de fato eu vou ter assunto (que não seja opa, que coisa, você casou?!) não é grande nada. Cabem na sala.

Marromenos

Quando a vida esta’ boa, eu quero aproveitar e por isso nao tenho tempo de escrever no blogue.

Quando a vida esta’ ruim, eu nao quero ficar reclamando no blogue e por isso nao escrevo.

Ou seja, eu so’ escrevo quando a vida ta’ marromenos.

:D

Drinks de espumante

A onda agora é drinque de espumante.

Nesse frio, não rola tanto de fazer meus coquetéis preferidos – mojitos e gigis – que são refrescantes e cheios de gelo. Por outro lado, muita gente nao curte um drink forte pra esquentar – martinis, negronis – e ate’ minhas margaritas costumam estranhar. Acho que as pessoas tomam frozen margarita fraquinha na balada e desacostumam a tomar margarita de verdade, que é praticamente álcool com álcool com um pouquinho de suco de limão.

Lud e Leo me trouxeram da França um licor de cassis muito fino e bacana e me deram a idéia. Eu aproveitei que passei no aeroporto de Amsterdã pra comprar uns licores da Bols (não tem aqui, meudeus!), e agora estou praticando.

Por enquanto, meus preferidos são licor de morango + raspberry + espumante; licor de morango + vodka + espumante; e o Kir, que é licor de cassis + espumante. Eu já testei os licores de melão e sour apple e não curti muito.

IMG_3561

IMG_3572

Também tentei o Black Velvet, que é cerveja preta + espumante. Esse ficou gostoso, mas com bolhinhas demais :D Ainda preciso fazer Mimosa, que é com suco de laranja, mas fico com dó de usar suco de laranja de caixinha (e com preguiça de comprar laranjas). Alguém aí tem boas sugestões de bons drink com espumante?

Eppstein

Aqui perto de Frankfurt tem um montão de castelinhos. A sugestão da vez foi Eppstein e fomos lá num domingo. Pra chegar lá é meia hora de trem, e baratinho: pagamos 2,50 pela extensão do ticket.

O tempo não ajudou – estava frio, chuvoso e cinzento – mas a cidade é bem bonitinha. As duas últimas fotos são com um filtro especial da câmera, pra vez se espanta um pouco o cinza.

IMG_3381

IMG_3385

IMG_3387

IMG_3389

O castelo também é bem bonitinho! Ele é de cerca de 1120. A entrada custa dois ou três euros e dá direito a ir no museu. No museu tem umas peças interessantes, mas o melhor é que lá dentro estava quentinho.

IMG_3407

IMG_3409

IMG_3398

IMG_3401

Em uma hora terminamos de visitar o castelo (incluindo subir na torre!). Tenho que confessar que o frio e o cinza não ajudaram. A única coisa colorida foi essas janelas, que alguém pintou de azul (por quê, eu me pergunto).

IMG_3420

IMG_3430

IMG_3416

Mas aí, demos uma bruta sorte e encontramos a Primeira Oktoberfest de Eppstein! A gente tinha visto um cartaz na estação, mas não tínhamos encontrado ninguém pra perguntar onde era a festa. Andando pela cidade, tudo vazio… até de que repente vimos gente com roupinha de Oktober, os seguimos… e caímos na festa! Yey!

2013-10-27 14.14.23

A festa era dentro do Corpo de Bombeiros, e a média da faixa etária caiu uns 20 anos quando a gente entrou. Só tinha velhinhas e velhinhos simpáticos e de cabelos brancos, dá pra ver na foto aí embaixo! E dá-lhe música de Oktoberfest.

IMG_3444

A festa era cheia de comes e bebes, e o mais legal era o esquema de comprar e pagar. Já falei que alemão adora uma quermesse? Com o primeiro pedido, você ganhava o papelzinho da foto abaixo. Com cada compra, um risquinho (que às vezes o moço pedia pra você mesmo fazer). E no final, pagava tudo no caixa. Preços convidativos de quermesse: cerveja pequena, 2 euros; cerveja grande, 3; handkase, 2,50; sopa, 2; torta, 2 euros. Hmmm!

IMG_3442

O mais legal foi a convicção do cara que marcou minha primeira cerveja: ele sinceramente achou que eu ia tomar muitas e muitas cervejas então era necessário fazer o risco o mais no cantinho possível.

IMG_3443

É saindo de Frankfurt que você vê como Ffm não representa a Alemanha: estávamos eu e a Irina conversando em inglês (ela é russa) e, de repente, uma das velhinhas vem perguntar de onde somos e como achamos a festa! De cara fiquei sem reação pensando ‘como é que ela sabe que não somos daqui’; depois lembrei que ela deve conhecer toda e qualquer pessoa da cidade, não precisava nem da gente estar conversando em inglês. A moça bateu papo, quis saber o que estávamos achando, se gostamos da comida, se tínhamos experimentado isso e aquilo, ofereceu pra tirar foto… coisa que nunquinha na vida um Frankfurtiano faria! Fiquei me sentindo super acolhida na festa do asilo, opa, da cidade.

Quando cansamos de comer (reibekuchen! reibekuchen!) resolvemos ir embora, porque o trem passava só de meia em meia hora. Quase chegando na estação, quem me aparece? O sol, maldito, que aqui São Pedro tem conluio com Murphy e só aparece pra deixar a gente bravo. Mas tudo bem, que deu pra dar uma corridinha na ponte e tirar uma foto de como deve ser o castelo num bonito dia de verão.

IMG_3455

IMG_3457

Hendrick’s

Nas férias de verão, conheci um moço holandês muito gente boa que curtia fazer drinks. Quando eu disse pra ele que gostava de martini, ele me disse logo que eu precisava conhecer o gim preferido dele: o Hendrick’s.

Gente, o que é esse gim? Ele é mais caro que os gins normais, mas aqui na Europa a diferença não é tão grande – é pouca coisa mais caro que o Beefeater, meu ex-gim-preferido. E gim tem a vantagem que, se você não for eu ou o Felipe, vai ter uma garrafa por muito tempo em casa (pra poder fazer um martini pra mim ou pro Felipe, huhu).

O Hendrick’s é feito com infusões de rosas e de pepino. Sim!, pepino! E por isso, ele dá super certo com drinks de pepino. O que o moço holandês me ensinou a fazer chama Gigi e é esse da foto. A receita é super simples: você enche o copo de gelo, com várias fatias de pepino no meio (quanto mais melhor, segundo ele). Depois, coloca duas doses generosas de Hendrick’s, e completa com ginger ale. Pronto!

2013-08-14 20.19.47

The Gigi

Na verdade o drink chamava GG (de gim e ginger ale) mas achei muito sem graça. Bebida com nome de mulher é muito mais legal, então pra mim ficou Gigi. Disse o mocinho que, quando está na balada, ele guarda o primeiro copo, cata os pepinos, e joga no segundo copo que ele pede. É muito amor pelos pepinos! Pra fazer martini com ele, é mesma receita – mas a gente troca a azeitona por umas fatias de pepino. E não é que o danado fica mesmo bom com pepino?

IMG_3576

Martini

Pra fazer a avaliação final, comparei ele com os outros gins aqui de casa, meu ex-preferido e o preferido da Amy. Pra ser sincera eu acho difícil acertar num teste cego entre o Tanqueray e o Beefeater – eu só acerto se escolher o que eu achei mais gostoso – que é 90% das vezes o Beefeater. Mas o Hendrick’s é muitissimo mais leve e não arde na garganta. Até as visitas que não têm muito costume com gim perceberam a diferença!

2013-08-14 20.01.11

Fazendo a prova

A questão agora é o que eu vou fazer com tanto gim em casa. Alguém aí aceita um martini?

Matematikum

Tem um museu de matemática aqui pertinho, em Giessen, e como boa nerd que eu sou, resolvi ir lá.

Serviço: Giessen nem é tão perto de Frankfurt nada – eu tenho o tíquete mensal e precisei pagar 10 euros de suplemento, em cada perna. Mas vamos que vamos que pode ser legal, né?

Não vimos a cidade mesmo, mas fomos direto pro museu, que é bem perto da estação central. De lá tem placas, como eu esperava (já que é a maior atração da cidade). Entre a estação e o museu vimos vaaaaários restaurantes, então dá pra almoçar na ida ou jantar na volta.

Pra entrar no museu, custa 7,50 pros adultos – criança é mais barato. Tem bastante coisa pra ver. Ficamos umas 3 horas, e saimos super cansadas (porque pensamos muito, já falo sobre isso!) – se tiver criança, acho que dá pra ficar mais. Todas as explicações são em alemão e em inglês. De hora em hora tem uma palestrinha de 10 minutos sobre algum tema bacana, mas essas são só em alemão.

São três andares. Tem várias salas com puzzles de várias dificuldades. No andar mais de cima tem os pra crianças; são basicamente os mesmos dos adultos com uma dimensão a menos :) Tem de montar, tem de duas e três dimensões, tem de encaixar, tem de contar… alguns a gente resolvia na tentativa e erro, mas os mais fáceis eu queria saber por que e entender o que tinha funcionado. Vários que achamos difícil, as crianças acertavam na hora. Mas outros vários que achamos difícil nem as crianças nem os adultos conseguiram. E a porcaria do V de quatro peças eu desisti, depois de fritar os miolos por muitos minutos. Passei pro desafio do lado, e quando duas moças montaram o V eu não pude me segurar e falei ‘oooh!’ e fui espiar como fazia :) Procurei no Google e não encontrei, devia ter tirado foto!

Além dessas salas de puzzle, tem outras temáticas. Logo de cara tem a sessão do pi! Tem um painel enorme com muitas e muitas casas de pi. Foto de timeline de facebook, sabe? :D

IMG_3522

Nerd engajada

Tem também um aplicativo que mostra onde sua data de nascimento aparece na sequência. Acho legal como eles inventaram jeitos de fazer ficar pessoal e divertido :)

IMG_3525

They say it’s your birthday

Tem também muitos brinquedos sobre som, ondas, luz, refração… e claro que tem uma sessão de espelhos, né. Vamos lá, todos nos, se sentindo a Super Xuxa contra o Baixo Astral!

IMG_3546

Quem canta seus males espanta!

Outra coisa que eu adoro é a sessão de fazer bolhas. Tinha umas crianças fofoluchas que não queriam se desgarrar desse brinquedo ai, mas esperamos pacientemente e fomos lá brincar também! Não é tão fácil como parece manter essa bolha; tem que puxar rápido mas não muito.

IMG_3531

Opa!

IMG_3542

Assim?

IMG_3543

Aeeeh!

Pra construir, tinha aquela ponte de parábola e também ponte de Leonardo. Ambas eu tentei montar com meus pais em SanFran e de novo aqui, e não rolou muito a de Leonardo. Parece que quem tem jeito com Lego é que sabe montar…

Depois de passar horas resolvendo desafios matemáticos, parece que a cabeça emperrou. Ficamos uma boa meia hora nesse aqui e nem comer uns chocolates (escondido das crianças, claro) ajudou. O negócio é o seguinte: a parte de cima do desenho é dividida em duas. Se você troca ambas de lugar, o número de crianças muda. Na primeira foto, são 16; na segunda, são 15 (pode conferir). Como é que é isso?

IMG_3539

Assim tem dezesseis crianças

IMG_3537

mas assim tem quinze

Alguém se habilita a dar a explicação?

Em comparação com outros museus de ciência, o de Giessen perde pro Nemo ou pro Exploratorium, dois museus que eu já tive a oportunidade de ir e voltaria mil vezes. Ambos têm muito mais coisa, mas não são voltados só pra matemática, né – aí fica mais fácil! Em termos de desafios matemáticos, acho que esse é mais legal. Valeu o passeio :)

Sobre o Feici

Se tem uma coisa que eu gosto é de discutir. Discutir na boa, trocar idéias, argumentos. Tem vezes que eu até ouço o que a outra pessoa tá falando! E existe gente não gosta de discutir. Tudo bem, as pessoas são diferentes. Respeito. O que eu não entendo é por que essas pessoas que não gostam de discutir ficam publicando suas opiniões (discutíveis) em espaços ‘públicos’ (posso chamar Facebook de espaço público?) e depois fazem mimimi ou apagam os comentários de quem discorda e quer discutir.

Recentemente, eu ando me envolvendo em um mundão de discussões. Isso tem a ver com eu ter um certo amigo, comediante, que era uma pessoa sensata e tranquila, mas desde que começou a fazer sucesso parece que ficou doidão. E não digo isso porque agora ele defende o Gentili; digo isso porque agora ele não admite que as pessoas que não defendem o Gentili tenham opinião.

Isso também tem a ver com um monte muito grande de pessoas que adora uma generalização. Toda generalização é burra, inclusive esta. Isso também tem a ver com um monte de outras pessoas que adora criticar. Critica tudo. E não é pra sugerir um outro jeito, é pra simplesmente ir contra e falar mal..

A sorte é que, como eu disse, eu adoro discutir. :D

Quem quer pão

quem quer pão, quem quer pão, que tá quentim, tá quentim, tá quentim, que gostosim, gostosim, gostosim, quero mais um, MAIS UM!

IMG_3125

Tomate e queijo

Nos supermercados aqui é muito fácil achar um pão que não é totalmente assado – ele vem ‘quase lá’e você termina de assar no forno de casa. Tristeza profunda quando você compra essa pourra e NÃO tem forno em casa e achou que estava comprando pão normal… felicidade infinita quando tem forno em casa :D

O meu método preferido é o seguinte: eu abro o pão em dois pedaços; passo azeite; jogo um salzinho (porque ainda não tive sucesso nas tentativas de conseguir comprar manteiga com sal); passo uma GROSSA camada de manteiga; trituro alho por cima. O alho assa junto com o pao e fica tudo muito bom. Acho que desse em particular não tem foto…

2013-09-29 12.41.51

Salame e queijo

2013-09-28 10.13.34

Na manteiga. com queijo depois

Outra coisa que fica ótima é picar pedacinhos de salame e assar tudo junto. Resumindo: faz um mês que minha alimentação se resume a pão. Com queijo, presunto, salame, alho, azeite, tomate, e o que tiver na geladeira. Menos pepino, porque pepino é pra fazer drinks.

Fabriquinha de roupa DIY

Recebi uma encomenda e abri a fabriquinha de roupas. Comprei um conjunto de pincéis realmente bons, e olha que não era o mais caro-metido-a-besta que tinha. Em compensação, o carbono de roupa daqui é bem fraquinho. Talvez eu não esteja sabendo usar direito.

Fazendo um avental de cozinha, em etapas!

A primeira é escolher o que vai ser pintado. Eu não tenho o menor talento pra desenho e gosto de coisas escritas. Pra esse avental, queria uma citação que tivesse a ver com comida, e que tivesse a ver com quem vai usar o avental. A que ganhou foi essa ai:

IMG_3140

Copiado do computador no papel quadriculado

Eu escolhi uma figura bacana e copiei da tela do notebook pro papel quadriculado (que nem precisa ser quadriculado, mas era o que eu tinha). Eu gosto de montar uma tela com um pedaço de papelão e alfinetes – que aí eu posso transportar a peça pela casa sem atrapalhar a pintura. Talvez a parte mais trabalhosa seja acertar essa montagem – porque a figura tem que ficar centralizada e não pode ficar torta e coisa e tal. Nesse caso aí também precisou de um papel embaixo do bolso, pra não manchar por dentro.

IMG_3141

Marcando com o papel-carbono

Marcar com papel carbono não tem segredo. Eu recomendo espiar de vez em quando pra ver se está funcionando, com mil cuidados pra nào tirar nada do lugar.

IMG_3142

Espiando

IMG_3144

Pode começar a pintar!

Aí pronto, pode começar a pintar! Eu jurava que tinha uma foto do pincel super fininho que eu estava usando. Pra fazer os cantinhos, tem que ter pincel fino e paciência. Eu acho super relaxante :D

IMG_3363

Pronto!

Depois é só esperar secar por três dias, ou pedir um ferro de passar roupa e passar pelo avesso. Eu deixei secar porque não tinha pressa ;)

IMG_3365

Roooohhhrhrhrhhrhhhh.

***

Dai eu comprei uma camiseta pra mim. Quando é pra mim não tenho tanta paciência de fazer com letra certinha, estava querendo fazer alguma coisa à mão… e faz um tempão que eu queria fazer uma blusa com essa frase em particular. 

A primeira coisa é fazer a armação. Peguei um travesseiro e grudei tudo nele com os alfinetes: a blusa com o papelão por dentro pra ficar firme e não manchar o outro lado, e as linhas. A parte mais difícil e trabalhosa é medir e acertar onde vão ficar as linhas; quando a roupa é pra mim, eu visto, marco com alfinetes onde quero que o desenho fique; quando é pros outros, é mais no chute. Já aconteceu de eu marcar as linhas medindo com régua… dessa vez eu fiz no olho. De novo, quando é pra mim, a coisa é bem mais relaxada :)

IMG_3366

Marcação das linhas

As letras eu pintei na mão, sem desenho prévio. É por isso que não está centralizado – porque eu não sabia onde ficaria o meio, então preferi alinhar à esquerda. Tática de preguiçoso. Foi a primeira vez que fiz letras à mão com pincel – antigamente eu usava um potinho de tinta que parece uma caneta. Aprendi muito durante o processo – o E, por exemplo, é melhor fazer de dentro pra fora, num movimento só, como se fosse um caracol. Mas claro que aprendi isso só lá pelo terceiro E.

IMG_3370

Freestylin’

Depois da primeira passagem, pode tirar as linhas, mas tem que voltar letra por letra pra reforçar, consertar, marcar mais forte. Gente normal pode esperar secar pra não correr risco; eu sou ansiosa demais pra isso e fico tomando mil cuidadinhos pra não fazer bobagem e estragar tudo.

IMG_3372

Visto de perto

No final, mais três dias pra secar, ou então ferro quente. E voilá, temos uma camiseta tri-legal:

IMG_3374

This is what a feminist looks like