Choque

Faz menos de duas horas que entrei no Brasil e ja’ levei um choque aqui no Rio. E nao foi com o preco da coxinha (cinco e vinte! e era uma coxinha pequena!). Foi que a conta deu R$12,10. Tirei a nota de 50 do bolso ja’ me preparando pra me encher de moedinha, mas o cara perguntou se eu tinha uma nota de dois (e eu tinha) e cobrou so’ doze. E os dez centavos sumiram, minha gente!

Ja’ aconteceu da conta dar 3,80 no supermercado e eu ter 3,79 de moedinha e o cara nao aceitar. Tive que pagar com uma nota de 20. E o caixa nem se abalou – um centavo ‘e um centavo e se a coisa pudesse ser comprada por 79 nao custava 80.

Quinze minutos depois foi a hora de pesar a mala de mao – no voo internacional ela passou, mas no nacional so’ podem cinco quilos e ela pesou oito. Eu me disponibilizei pra passar umas coisas pra mala despachada, mas o cara falou, ‘aaaah, tudo bem!” e me mandou embora com a mala de mao com quase o dobro do peso permitido.

Nao e’ que eu esteja reclamando que a gente ‘e um povo simpatico e que tenta resolver os problemas dos outros. Eu adoro isso. Essa boa vontade, eu nao vejo em outros lugares. O negocio ‘e que a coisa nao tem regra. Eu chego no aeroporto sem saber se passo ou nao passo com os quilos a mais. Acho que a palavra ‘e imprevisibilidade – nao da’ pra saber como vai ser.

O dia que eu desaprender a lidar com essa imprevisibilidade ai, deve ser porque fiquei alemoa demais : /

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s